quinta-feira, 29 de março de 2018

Requisitos da democracia

Almir M. Quites


  • Nota inicial: escrevi este artigo há 1 ano (em 28/03/2018), mas só agora resolvi publicá-lo, com alguns retoques

De vez em quando é bom relembrar e repensar: 
  1. Temos uma democracia?
  2. Estamos evoluindo no sentido da democracia ou do autoritarismo?
O que é uma democracia?

A democracia nasceu na Grécia, o berço da filosofia, onde havia muitos Deuses, alguns felizes, outros não. Eles tinham sexo, como nós, misturavam-se com os mortais e se irritavam com eles. 

Na maioria das culturas europeias e no Oriente Próximo (o qual engloba os países do Sudoeste Asiático, entre o Mar Mediterrâneo e o Irã), algumas religiões (donas da verdadeinfluenciaram o poder e fortaleceram o totalitarismo. Na Europa, o totalitarismo de origem religiosa foi fortemente combatido, mas (por razões que não cabe discutir agora) o mesmo não aconteceu na maioria dos países islâmicos.

No Ocidente houve uma separação entre Estado e Religião e, ambos, perderam o controle sobre a ciência e a tecnologia. Assim, os mitos foram desnudados e a maioria dos países evoluiu em direção à democracia.

Progressivamente, os povos entendem melhor que não há teorias ou líderes imortais, que não há super heróis nem pessoas com poderes divinos ou protegidos por deuses. Pouco a pouco, os povos estão compreendendo que é fundamental que diferentes pessoas e grupos se alternem no poder.

A democracia respeita a alteridade, valoriza quem diverge com diferentes argumentos. Isto implica no reconhecimento de que existem conflitos legítimos, grupos que disputam poder de diferentes perspectivas, vêem a vida de maneira diferente e que ninguém deve tentar convencer o outro e padronizar o pensamento do povo pela simples propaganda, pela doutrinação ou pela força. Só vale a força serena da lógica. 

Essa ideia colide com líderes que querem colocar todos em ordem, sob sua ordem, tanto na vida pública quanto na vida privada. 

Durante o século XVIII, algumas monarquias absolutas trataram de mudar de caráter e trataram de evoluir por meio de reformas que caracterizaram o que ficou conhecido como "despotismo esclarecido".

No entanto, o absolutismo típico continuou  existindo. Este é o caso das monarquias absolutas europeias, da URSS, da China de Mao e agora de Xi Jinping, de Cuba, da Alemanha nazista, da Espanha franquista, do Irã, do Califado, da Coréia do Norte, todos citados como exemplos. Em alguns países, os líderes acham que sabem tudo. Às vezes eles têm contato direto com os deuses. Eles não apenas ordenam o Estado, mas tudo o que seus sujeitos (não cidadãos) fazem. Eles perseguem os homossexuais, discriminam as mulheres, matam os dissidentes.

Atualmente menos de duas dezenas de países ainda são ditaduras típicas. São eles: Bangladesh, Líbano, Moçambique, Nicarágua, Uganda, Venezuela, Cuba, Brunei, Catar, Omã, Arábia Saudita, Egito, China, Coreia do Norte, Suazilândia, os emirados (ou principados) compreendendo os Emirados Árabes Unidos (dentro da esfera de poder regional) e a Cidade do Vaticano, embora o Papa seja eleito. Além disso há países que estão muito próximos de uma ditadura, mas que não foram incluídos na lista acima.

Democracia é o regime político em que todos os cidadãos elegíveis participam igualmente — diretamente ou através de representantes eleitos — na proposta, no desenvolvimento e na criação de leis, exercendo o poder de governo através do sufrágio universal. Ela abrange as condições sociais, econômicas e culturais que permitem o exercício livre e igual da autodeterminação política.

Há países em que a autocracia ou a oligarquia existentes são oficial e hipocritamente autodenominadas de democracia.

O sistema democrático contrasta com outras formas de governo em que o poder é detido por uma pessoa — como em uma monarquia absoluta — ou em que o poder é mantido por um pequeno número de indivíduos — como em uma oligarquia. Nesta há preponderância de um pequeno grupo no poder, pertencentes a um só partido ou espalhados em diversos deles. Neste caso, os interesses nacionais são substituídos pelos interesses da oligarquia. 

Há muitas contradições contemporâneas que estão além do surrado e desnecessário conflito capital x trabalho. A teoria marxista é demasiadamente simplista para representar as diferentes realidades. Resume-se na organização da sociedade em duas classes (a capitalista e a do proletariado), sujeitas aos fatores sociais de consciência (cultura, religião e política). O marxismo reduz a complexidade da dinâmica social à luta entre estas duas classes. Outros fatores são desconsiderados, como os das minorias étnicas e outras minorias (dos "gays", por exemplo), do clima, do meio ambiente, do tipo e intensidade da integração internacional etc.

O marxismo sempre se cegou à capacidade de auto-correção e de evolução do capitalismo, rumo à eficácia da industrialização, da urbanização, das relações sociais, e se ateve ferrenhamente à denúncia da exploração, da alienação, da ubiquidade da instrumentalização das relações sociais, na ideologia do imperialismo.

Também depõem contra as ideias de Karl Marx o resultado histórico dos diversos regimes que foram influenciados pelo seu ideário político-ideológico, como a União Soviética, o regime castrista de Cuba e as chamadas "repúblicas vermelhas" do Sudeste Asiático.

Marx vivia numa sociedade em que o horizonte era muito pequeno. Até o último século, muitos líderes políticos acreditavam que a realidade fosse reduzida ao confronto do proletariado com a burguesia (os comerciantes da época, além de pouquíssimos industriais) e assumiram, como válida, uma teleologia ética, heróica, masoquista, como as divulgadas por Javier Heraud, Cesar Vallejo, John Rees, Pablus Gallinazo, Plabo Neruda e muitos outros.

"Fallen the Berlin Wall" e todos esses mitos se dissiparam e hoje, na maioria dos países, há democracias mais ou menos estáveis, que realizam eleições limpas periodicamente. 

Atualmente, ainda reaparecem, aqui, ali, acolá, caricaturas dos projetos revolucionários do passado. Alguns, que afirmam defender os pobres, se enriquecem a expensas do Estado, criam sociedades clientelistas em que os mais humildes são usados ​​como bucha de canhão para a política. Eles pretendem se perpetuar no poder, têm ídolos de barro que veneram, creem que não há adversários, apenas inimigos que devem ser eliminados. No auge do autoritarismo, eles chegam a criar agências estatais dedicadas a espionar os adversários. Usam os escritórios de aluguel para atacar dissidentes com mecanismos automáticos de espalhar propaganda e "fake news" pelas redes sociais. 

A democracia não consiste apenas em votar. Devemos ter eleições livres, sem manipulação, com um sistema de apuração eleitoral comprovadamente honesto. A liberdade de expressão deve ser garantida. Os candidatos dos diversos partidos devem ser escolhidos em eleições livres, as mais abertasimples quanto possivel (eleições primárias). Não pode haver influência do poder econômico, nem na compra de votos ou de leis ou na compra de marqueteiros, espaço nas transmissões de TV ou de censura a adversários. Os meios de comunicação, o governo e as forças armadas devem servir a toda a sociedade, não uma facção.

Devemos avançar para a desconcentração do poder, para o federalismo e, sobretudo, para o respeito pela divisão de poderes.

Os governantes não podem ser autorizados a assediar, difamar, estigmatizar oponentes. Temos de acabar com estas ridículas milícias que são organizadas para ameaçar a imprensa e adversários, lembrando experiências terríveis de regimes autoritários. 

No Brasil, a corrupção não é esporádica. Ela é permanente e estruturada pela própria administração pública, que foi dominada por uma Organização Criminosa Maior (OrCriM) e uma miríede de outras que a orbitam, e que operam nos municípios, nos estados e no governo federal; no Executivo e no Legislativo; inclusive nas cortes judiciais. 


Esta estrutura precisa ser destruída urgentemente! Deve haver regras claras para o jogo democrático, que devem ser respeitadas por todos os atores políticos. Devemos quebrar os grilhões de todos os tipos, para que floreçam livres a liberdade, a espontaneidade e a alegria. Se conseguirmos andar neste sentido, o resto virá e nós teremos um inacreditável desenvolvimento.

Povo iludido é povo vencido!

Agora, siga lendo aqui: 
DEMOCRACIA DE FAZ DE CONTA
http://almirquites.blogspot.com.br/2018/03/democracia-de-faz-de-conta.html


𝓐𝓵𝓶𝓲𝓻 𝓠𝓾𝓲𝓽𝓮𝓼
Almir Quites


Assim funciona o Brasil

`°•○●□■♢《  》♢■□●○•°`


Para ler artigos sobre as urnas eletrônicas brasileiras
clique aqui


Para mais artigos deste blogue ("weblog")
Clique sobre o título.
  1. Outra lambança do STF
  2. Lula é especial perante a Lei
  3. "Lula quente" no STF
  4. Debate não é bater nem se debater
  5. O voto cego do eleitor brasileiro
  6. Ascensão e queda do petismo
  7. Eleições gerais na Itália
  8. A enigmática intervenção federal no Rio
  9. Povo desinformado faz gol contra
  10. Cinismo e farsa eleitoral
_____________________________________________________
Aviso sobre comentários 
Comentários contra e a favor são bem vindos, mesmo que ácidos, desde que não contenham agressões gratuitas, meros xingamentos, racismos e outras variantes que desqualificam qualquer debatedor. Fundamentem suas opiniões e sejam bem-vindos. Por favor, evite o anonimato! Escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
______________________________________________________



 COMPARTILHE ESTA POSTAGEM 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Busca pelo mês

Almir Quites

Seguir por e-mail

Wikipedia

Resultados da pesquisa