sábado, 4 de março de 2017

Marco Aurélio e a “ciência” do Direito

José J. de Espíndola*, 09/04/2016

Quando eu estudava engenharia em Porto Alegre, lá no distante século passado, morei, nos três primeiros anos, em uma casa com quarenta estudantes das várias áreas: Medicina, Odontologia, Física, Economia, Direito, ...

Um colega que estudava Direito vivia comentando o que lhe era ensinado (
creio que numa disciplina chamada Introdução à Ciência do Direito) sobre as provas de que Direito era uma ciência. 

O amigo e colega parecia obcecado com a ideia de ser o Direito uma ciência. Ele era ouvido por todos e respeitosamente ignorado. Até que um dia eu, que não estava bem dos bofes, perguntei se ele já ouvira algum estudante de Física, Química, Biologia, Matemática ou Engenharia, entre outras áreas, preocupado em demonstrar que o que estudava era ciência. Acho que, tomado de surpresa, o colega não entendeu o meu ponto e tive então de explicar. É que naquelas áreas de conhecimento, o conteúdo científico era tão evidente que ninguém se preocupava em demonstrá-lo. Não havia, por exemplo, uma disciplina dedicada a demonstrar que seus estudos eram científicos. Seria uma perda de tempo, por óbvia natureza. A discussão parou por aí e aquele colega jamais voltou ao assunto.

Marco Aurélio de Mello, entre tantas besteiras que disse no programa Roda Viva, afirmou, várias vezes, enfático e empolado como sempre, ser um “cientista do Direito
 — este senhor, sempre que fala parece pensar que o mundo deixa de girar só para ouvi-lo, tal o grau de sapiência e auto estima que se atribui.

Resultados da pesquisa

Não pretendo estender-me, por enquanto, sobre esta falácia da ciência do Direito. Mas não consigo deixar de lembrar-me de Alberto Einstein, quando ele foi informado de que um grupo de cem cientistas alemães (obviamente com pendores nazistas) assinaram uma declaração afirmando que sua teoria generalizada da relatividade estava errada. Einstein, imperturbado, afirmou: “Se minha teoria estiver errada, não serão necessários cem cientistas para constatar o erro: basta um”.

Então eu afirmo: se o Direito é uma ciência, não será preciso um tribunal (
isto é, uma reunião de magistrados) para afirmar um resultado de análise de processo: basta um juiz. E, em sendo analisada a questão jurídica por um colegiado, é de se esperar que o resultado da análise seja o mesmo vindo de todos os juízes, se de fato laboram sobre uma ciência. Alguém dirá que o Direito não é uma ciência exata. Nem a medicina, nem a biologia, retruco. Entretanto, se alguém laborando sobre a ciência da medicina e as técnicas que dela derivam chegar à conclusão de que um paciente não tem câncer, então não tem câncer e ponto final. (A menos que o médico seja de péssima qualidade, caso em que poderá sofrer sérias consequências, circunstância que não se vê na prática do Direito, em relação aos magistrados).

O vídeo abaixo de Augusto Nunes (o moderador do programa Roda Viva) mostra três ideias – que ele qualifica como “de hospício
  do “cientista” do Direito Marco Aurélio de Mello:
  1. Criou, sem ter competência funcional para tal, a figura jurídica do impeachment do vice-presidente. Esta figura só poderia ter sido criada na Constituição Federal, mas não o foi. Qualquer estudante de primeira fase de Direito sabe que não pode haver pena se não houver o crime (ou irregularidade) formalmente definido. E a Constituição não estabelece a pena de impeachment de vice-presidente, simplesmente porque não definiu o crime (ou os crimes) que demandaria esta pena. Foi por perceber esta ideia de girino que Temer, um constitucionalista de qualidade reconhecida, disse que deveria voltar à primeira série do curso de Direito para entender o “cientista” Marco Aurélio.
  2. Marco Aurélio tem sido cansativo em tanto afirmar que as pedaladas de Dilma não configuram crime de responsabilidade fiscal e que não são suficientes para o impeachment. No programa Roda Viva, afirmou e reiterou este absurdo, várias vezes. Mas agora manda o presidente da Câmara abrir o rito processual de impeachment de Temer. Por que razão? Por supostas pedaladas fiscais!!!... Pedaladas, aliás, que só sua mente de “cientista” do Direito consegue ver.
  3. Finalmente, a “ciência” do Direito de Marco Aurélio lhe autoriza a usurpar a competência, unipessoal e autocrática, do presidente da Câmara — conferida a este pela Constituição Federal — para acatar, ou não, um requerimento de impeachment. Foi uma usurpação de competência constitucional o que este fenomenal “cientista” fez, ao determinar ao presidente da Câmara a abertura de um rito de impeachment, por supostas pedaladas fiscais, contra o Vice-Presidente da República.
Eta “ciência” mais atabalhoada, esta do “cientista” Marco Aurélio.

Socorro, Einstein!


=========
* José J. de Espíndola é doutor (Ph.D.) pelo ISVR da Universidade de Southampton, Inglaterra, doutor Honoris Causa pela UFPR, Professor Titular da UFSC, Departamento de Engenharia Mecânica, aposentado.


... ... _ ▂ ▃ ▄ ▅ ▆ ▇ █ █ ▇ ▆ ▅ ▄ ▃ ▂ _ ... ...
Outros artigos de J.J. de Espíndola:
= Clique sobre o título =
  1. O legítimo como obra do "ilegítimo"
  2. Duplo luto
  3. Fatos e inversões
  4. A PGR chama o STF à responsabilidade
  5. Fé, ateismo e ignorância
  6. As urdições do prontuário ambulante
  7. Tem-se prova e convicção
  8. "Paulinho", Paulo e Toffoli
  9. TCHAU, querida!
  10. Novo ministro da Justiça e Teori, the slicer.
  11. Corrupção altruista
  12. Teori, the Slicer
  13. O impeachment de Dilma, a delação premiada e a hipocrisia milionária
  14. Tribunais superiores atacam Lava Jato, "again".
  15. Universidade, democracia e doutrinação
  16. A vida difícil de um ‘umilde’ trabalhador
  17. Homo Naledi, um novo hominídeo
  18. A opressão teocrática continua
  19. O uso constante da razão
__________________________________
"""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""
Aviso sobre comentários:

Comentários contra e a favor são bem vindos, mesmo que ácidos, desde que não contenham agressões gratuitas, meros xingamentos, racismos e outras variantes que desqualificam qualquer debatedor. Fundamentem suas opiniões e sejam bem-vindos.
Por favor, evite o anonimato! Escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. 
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
___________________________________________________________
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
 COMPARTILHE ESTA POSTAGEM   
 USE OS BOTÕES ABAIXO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Busca pelo mês

Almir Quites

Seguir por e-mail

Wikipedia

Resultados da pesquisa