quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

As dentadas do Leão

Por Almir Quites - 26/12/2016
🔥 O aumento de impostos tem passado despercebido 🔥
Preparem-se para a brutal mordida do Leão (Receita Federal) na declaração de ajuste fiscal de 2017. Será a maior dos últimos anos prejudicando, em especial, a classes de menor renda e os aposentados.


Desde 1º de janeiro de 1996, a tabela do IRPF está desindexada da inflação do ano anterior, passando a ser corrigida por decretos administrativos ou por outras legislações.

Naquela data (1996), a tabela mensal do imposto de renda da pessoa física tinha a seguinte estruturação:
   - até R$ 900,00, a alíquota era nula e parcela a deduzir também;
   - de R$ 900,01 até R$ 1800,00, a alíquota era 15% e parcela a deduzir era R$ 135,00; e
   - acima de R$ 1800,00, a alíquota era de 25% e a parcela a deduzir era R$ 315,00.

De lá para cá, a inflação medida pelo INPC foi de 292,94 %. Se a tabela do imposto de renda tivesse sido corrigida pela inflação medida pelo INPC, no período, a primeira faixa teria hoje o valor de R$ 3536,46. No entanto a primeira faixa da tabela tem hoje o valor de R$ 1903,98, o que corresponde a uma defasagem de 85,74 %. Isto significa que muitos cidadãos que estavam isentos foram incorporados aos que são obrigados a pagar.

Este mesmo problema ocorre com as demais faixas. Logo, todos os contribuintes estão sendo empurrados para as faixas de imposto mais alto! O povo brasileiro está empobrecendo e transferindo para o governo uma parcela cada vez maior de sua renda.

Em outras palavras, a defasagem na tabela do imposto de renda está corroendo a renda dos trabalhadores ativos e dos aposentados. Mensalmente e anualmente paga-se mais imposto e o governo, desta maneira, mascara a tributação no país.

Além disso, para espanto maior, até agora, neste ano, não houve qualquer correção da tabela e a inflação de 2015, medida pelo IPCA, foi de 10,67 % (pelo INPC foi de 11,28 %). Como é? Vamos deixar passar mais esta?

A Secretaria da Receita Federal informou, através de comunicado que "
alterações na tabela do IRPF são feitas através de leis de iniciativa/competência da Presidência da República e do Congresso Nacional". Há boatos de que haveria uma correção de 5,00% para 2017. Só? Deveria ser corrigida pela inflação!

Com a palavra o Presidente Temer!

Será que isto é justo para os trabalhadores ativos e aposentados?

Leia aqui a íntegra do artigo que explica isto detalhadamente.

CARTA AOS BRASILEIROS SOBRE EMPOBRECIMENTO

http://almirquites.blogspot.com.br/2016/10/carta-aos-brasileiros-sobre.html

Vamos reivindicar os nossos direitos!

Além da exagerada arrecadação, há uma outra questão de extrema importância. É que o sistema tributário brasileiro é o pior do mundo, segundo o Banco Mundial, quanto ao custo que as empresas têm para se manter em dia com suas obrigações fiscais. Calcula-se que uma empresa média brasileira gasta 2.600 horas/ano nisso.

O sistema tributário é tão complexo que a empresa acaba enrolada num cipoal de exigências que não consegue cumprir, endividada e às voltas com a Justiça.

Há mesmo muito o que fazer para começar a por o Brasil em ordem.

Favor repassar para os seus contatos!


\---------''''''''''' °°°°°° Compartilhe °°°°°° """""""----------/


Mais artigos deste "blog" ("weblog")
Clique sobre o título. 
_______________________________________________________________
Aviso sobre comentários:
Comentários contra e a favor são bem vindos, mesmo que ácidos, desde que não contenham agressões gratuitas, meros xingamentos, racismos e outras variantes que desqualificam qualquer debatedor. Fundamentem suas opiniões e sejam bem-vindos. Por favor, evite o anonimato! Escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!

Volte sempre!
_______________________________________________________________
 COMPARTILHE ESTA POSTAGEM   
 USE OS BOTÕES ABAIXO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Busca pelo mês

Almir Quites

Seguir por e-mail

Wikipedia

Resultados da pesquisa